Câmara dos Deputados debate impactos da extração

28/11/2023
O deputado cita estudos que mostram que mais de 90% de fluidos resultantes do fracking podem permanecer no subsolo

 

As comissões de Saúde e de Meio Ambiente da Câmara dos Deputados vão realizar audiência pública dia 30 de novembro para debater os impactos da prática do fracking (fraturamento hidráulico) na extração de gás de xisto. A técnica realiza perfurações que superam os 3,2 mil metros de profundidade no solo para a extração de gás de xisto ou folhelho. Por meio da tubulação instalada nessas perfurações, injeta-se uma grande quantidade de água em conjunto com solventes químicos comprimidos, dos quais alguns com potencial cancerígeno.

O autor do requerimento da audiência é o deputado Jorge Solla (PT-BA). O deputado cita estudos que mostram que mais de 90% de fluidos resultantes do fracking podem permanecer no subsolo. Parte desse fluido, porém, retorna à superfície contaminando o solo, o ar e os lençóis de água subterrânea. "A destruição dos recursos naturais afeta diretamente a agricultura, a pecuária, o turismo e o bem-estar das pessoas que vivem nas regiões de extração, além de impedir a exportação da produção", disse o deputado. "Por todos esses danos e riscos, vários países já proibiram esta prática, como Alemanha, França, Holanda, Suécia, Bulgária, Polônia e Israel", acrescentou. (Fonte: Agência Câmara de Notícias)