CVP cria quatro novas empresas na Bahia

09/05/2022
Companhias objetivam exploração de depósitos de grafita, fertilizantes, lítio e alumínio na região do Vale do Paramirim.

O geólogo-empresário João Cavalcanti, presidente da CVP (Companhia Vale do Paramirim), está implantando quatro novas empresas para viabilizar a exploração de depósitos minerais na Bahia, com foco na região do Vale do Paramirim: a Brazilian Graphene Company, a Brazilian Fertilizers Company, a Brazilian Lithium Company e a Brazilian Aluminum Company.

Segundo o empresário a Brazilian Graphene Company (BGC) visa a prospecção de “Filito-Carbono-Grafitosos, já identificados na borda Oeste do Vale do Paramirim, com teores de carbono favoráveis à obtenção de grafeno”. 

Já a Brazilian Fertilisers Company (BFC) focará nos estudos de granitóides ricos em feldspato-K, objetivando a extração de potássio e também a prospecção de enxofre em rochas carbonáticas com alto teor de pirita (SeF2) nos municípios de Guanambi e Carinhanha.

A Brazilian Lithium Company (BLC) tem como objetivo a prospecção de lítio “em solos residuais originários, pelo intemperismo de rochas vulcânicas félsicas, no Distrito Ferrífero-Cuprífero de Papa-Mel e na cratera de um vulcão extinto nos municípios de Paramirim e Água Quente”, no Vale do Paramirim. 

Por fim, a Brazilian Aluminum Company (BAC) visa a prospecção de “rochas bauxíticas, do tipo ferruginosas”, entre os municípios de Ibiassucê e Caculé, bem como entre os municípios de Paramirim e Água Quente, onde os teores de Al2O3 alcançam 26%. 

Atualmente João Cavalcanti está coordenando os trabalhos na região e viabilizando convênios entre a CVP e o CETEM (do Ministério de Ciência e Tecnologia), a UFRG, a USP (Instituto de Química) e a Fundação Gorceix (UFOP) para a realização de estudos laboratoriais e de bancadas visando a obtenção de Grafeno, Potássio, Enxofre, Lítio e Óxido de Alumínio (Alumina).