Metso fornecerá 16 britadores para projeto Simandou, que sai do papel

08/01/2024
Simandou produzirá até 100 milhões de toneladas de minério de ferro de alto teor

 

A Metso recebeu um pedido do WCS (Winning Consortium Simandou) consórcio que controla os blocos 1 e 2 do projeto de minério de ferro Simandou, na Guiné, para fornecimento de 16 britadores secundários e terciários Nordeberg HP 900, no valor de 10 milhões de euros. O fornecimento será feito pela Metso China.

O WCS é uma coalizão de empresas, incluindo o Winning International Group de Cingapura, o Shandong Weiqiao Group da China e a United Mining Supply International (UMS). O Consórcio detém os direitos de mineração dos Blocos 1 e 2 de Minério de Ferro de Simandou, com reservas de minério de ferro totalizando 1,8 bilhão de toneladas, com teor de ferro superior a 65,5%. A expectativa é que o projeto inicie operação por volta de 2026 ou 2027 e o tempo de vida útil previsto é de 25 anos. Os blocos 3 e 4 de Simandou serão explorados pela Rio Tinto Simfer, a qual anunciou que está iniciando a implantação do seu empreendimento. A expectativa da Rio Tinto, juntamente com a chinesa Chinalco, da qual é sócia, é investir algo em torno de US$ 6,2 bilhões no empreendimento.

O Projeto Simandou consiste de uma mina de ferro a céu aberto na cordilheira de Simandou, no sudeste da Guiné, a aproximadamente 600 km da costa guineense, com uma capacidade potencial estimada em até 100 milhões de toneladas por ano, localizada a leste da cidade de Kérouané; a construção de uma ferrovia de 600 km, para ligar Simandou à costa guineense e de novas instalações portuárias para exportar o minério de ferro. Para a primeira fase, a WCS planeia construir instalações portuárias no estuário do rio Morébayah, perto de Senguelen, na província de Forecariah, para carregar minério de ferro em barcaças e depois em grandes navios oceânicos através dos seus terminais de transbordo de alta capacidade no mar. Posteriormente, está previsto um novo porto de águas profundas, numa segunda fase.