Gerdau Graphene e IPT criam centro de pesquisa

09/10/2021

A Gerdau Graphene e o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) obtiveram primeiro lugar na Chamada Pública para Estruturação de Centros de Tecnologia e Inovação Aplicadas em Materiais Avançados do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações e da Finep - Financiadora de Estudos e Projetos. O projeto prevê a criação de um centro de pesquisa de grafeno, previsto para entrar em operação ainda em outubro. 

O novo centro tecnológico ficará no campus do IPT, em São Paulo, e tem o objetivo de tornar realidade as aplicações de grafeno em processos industriais, aprimorar as pesquisas existentes, transformando-as em soluções viáveis. Gerdau, IPT e Finep vão realizar investimentos e gerir o plano de negócios que, em curto prazo, prevê a entrega de um novo produto em concreto, óleos e graxas ou polímeros pronto para estar no mercado a cada semestre. "Queremos ser referência em produtos de grafeno em escala no Brasil e no mundo, e a criação do centro de pesquisas em parceria com o IPT é mais um passo na consolidação desse objetivo. A iniciativa incorpora o conceito from lab to life, e gerará tecnologia que beneficiará toda a indústria brasileira, contribuindo para o desenvolvimento nacional. As entregas em curto prazo contribuirão para que o centro se torne autossustentável, criando uma cadeia de valor com o grafeno. O investimento está focado principalmente em pessoas - são 42 pesquisadores envolvidos no projeto - fomentando o conhecimento no Brasil", afirma Alexandre de Toledo Corrêa, diretor-geral da Gerdau Graphene.

"O edital da Finep foi a oportunidade ideal para a materialização desse centro, onde traduziremos o grafeno, um material incrível, em alto desempenho para toda a indústria nacional", afirma Sandra Moraes, diretora técnica do Centro de Materiais Avançados do IPT e coordenadora do Centro de Materiais Avançados em Grafeno e Novas Aplicações Tecnológicas junto à Finep. A iniciativa faz parte da criação de dois centros nacionais de pesquisa em aplicação de grafeno sendo abertos pela Gerdau Graphene em colaboração com ICTs (Institutos de Ciência e Tecnologia) nacionais. O primeiro, formado nesta parceria com o IPT, visa o desenvolvimento de produtos como aditivos químicos que aumentem a resistência e durabilidade do concreto, boosters para lubrificantes visando aumento da eficiência energética de veículos e motores industriais e polímeros para uso em embalagens termoplásticas que melhorem o desempenho de barreira a gases e líquidos. A reciclabilidade e funcionalidades do grafeno como antimicrobiana, antiviral e antioxidante também estão na pauta.

Além do próprio centro nacional em parceria com o IPT e a Finep, a Gerdau Graphene ainda fará investimentos próprios no campus do IPT, abrindo laboratórios proprietários de aplicação, qualidade e desenvolvimento. "Esta iniciativa enquadra a empresa no IPT Open Experience, ambiente promotor de inovação criado pelo IPT que abriga em seu campus companhias interessadas em desenvolvimento tecnológico de alta densidade de conhecimento científico, a chamada HardScience", destaca o diretor executivo do programa, Alessandro Rizzato. A parceria estratégica pretende fomentar ainda um espaço para a troca de experiências e aceleração de startups nacionais focadas na geração de soluções com o grafeno no Hub de Inovação Aberta do IPT Open Experience

A Gerdau Graphene tem planos da abertura de um segundo centro, junto a outra ICT, com o objetivo o de desenvolver masterbatches (aditivos sólidos usados na indústria de plástico para conferir melhores propriedade ou coloração) para aplicação nas três principais classes de polímeros: termoplásticos, termorrígidos e elastômeros.