BHP contesta escritório de advocacia

05/01/2022
A empresa, que é sócia da Samarco, juntamente com a Vale, afirma ainda que “sempre esteve e continua totalmente comprometida a fazer o que é certo"

Ao contrário do que afirma o escritório PGMBM – uma parceria entre advogados britânicos, americanos e brasileiros que move uma ação de reparação a cerca de 200 mil pessoas moradores da região afetada pelo acidente de rompimento da barragem do Fundão, em Mariana, Minas Gerais -- a BHP diz que “o processo não deve continuar no Reino Unido, uma vez que as questões levantadas pelos autores estão cobertas pelo trabalho em andamento pela Fundação Renova, por decisões dos tribunais brasileiros ou que são objeto de processos judiciais em andamento no Brasil”. 

A empresa, que é sócia da Samarco, juntamente com a Vale, afirma ainda que “sempre esteve e continua totalmente comprometida a fazer o que é certo pelos impactados pelo rompimento da barragem de Fundão e seguirá apoiando os extensos e contínuos esforços de remediação da Fundação Renova no Brasil. Até o fim de novembro de 2021, a Renova investiu mais de R$ 18,33 bilhões nos 42 projetos de reparação e compensação ambientais e socioeconômicos que administra. Desde o início do Sistema Indenizatório Simplificado em agosto do ano passado, mais de 46.000 pessoas de categorias informais com dificuldade para comprovar seus danos receberam pagamentos totalizando mais de R$ 4,51 bilhões. No total, mais de 359 mil pessoas receberam mais de R$ 7,78 bilhões em indenizações e ajuda financeira."