Águia aguarda decisão judicial para iniciar projeto

23/06/2022
Empresa depende da decisão da justiça para iniciar a implantação do seu empreendimento, que prevê a produção de até 300 mil toneladas/ano.

A Águia Fertilizantes, companhia controlada pela Águia Resources, com ações na bolsa australiana, informa que o Ministério Público Federal apelou contra a decisão da Justiça Federal de devolver para a corte estadual em Lavras do Sul (RS) a competência para decidir sobre a ação pública que foi movida pelo Ministério Público Federal contra a empresa e a Fepam (agência estadual de proteção ambiental do Rio Grande do Sul) contestando a decisão favorável da agência sobre o EIA – Estudo de Impacto Ambiental do projeto de fosfato Três Estradas. Agora, a Águia prepara uma resposta contra a apelação do Ministério Público. 

A Águia só depende da decisão da justiça para iniciar a implantação do seu empreendimento, que prevê a produção de até 300 mil toneladas/ano de matéria prima para fertilizante, quantidade que seria suficiente para suprir até 10% da demanda do estado do Rio Grande do Sul, um dos maiores produtores de grãos do País. 

A empresas também comemorou o fato de que seu produto Pampafos, utilizado em lavoura de milho, obteve um resultado equivalente ao 95% do TSP (Superfosfato Triple), com a mesma dosagem. 

O diretor-gerente da empresa, Fernando Tallarico, disse que a empresa está cada vez mais confiante na performance competitiva do seu produto. “Ao longo dos últimos dois anos, temos realizado vários testes e estes resultados agora confirmam a eficiência do Pampafos”, disse ele.