Receitas crescem 7% no primeiro trimestre

13/05/2022
As receitas por libra vendida somaram US$ 8,67, ou 34% a mais que no primeiro trimestre de 2021, devido aos preços mais fortes do vanádio.

A Largo Inc. registrou receitas de US$ 42,7 milhões no primeiro trimestre de 2022, um aumento de 7% na comparação com o mesmo período do último ano. As receitas por libra vendida somaram US$ 8,67, ou 34% a mais que no primeiro trimestre de 2021, principalmente devido aos preços mais fortes do vanádio. A empresa saiu de um lucro líquido de US$ 4,144 milhões no primeiro trimestre de 2021 para um prejuízo líquido de US$ 1,954 milhões nos três primeiros meses de 2022. 

As vendas totais equivalentes da Largo somaram 2.232 toneladas de V2O5 no trimestre, volume inferior às 2.783 toneladas do primeiro trimestre de 2021. A queda nas vendas é explicada pelos desafios logísticos globais contínuos e menor produção no quarto trimestre de 2021. 

Entre janeiro e março de 2022, a Largo produziu 2.442 toneladas de V2O5, um aumento sobre as 1.986 toneladas do mesmo trimestre do último ano. Os custos operacionais cresceram de US$ 28,2 milhões no primeiro trimestre de 2021 para US$ 29,0 milhões nos três primeiros meses de 2022. A Largo reviu seu guidance de produção para baixo, de 12.250 – 12.750 toneladas para 11.600 – 12.400 toneladas de V2O5 e a de vendas, de 12.250 – 12.750 toneladas para 11.000 – 12.000 toneladas de V2O5. 

A construção da planta de concentração de ilmenita da Largo começou em abril, como parte de seu projeto de pigmento de dióxido de titânio (TiO2) anunciado anteriormente. Espera-se que o conteúdo de TiO2 seja proveniente do minério de vanádio criado a partir das operações em andamento da empresa, o que deverá contribuir para a estratégia de negócios de "dois pilares" da Largo como um fornecedor de vanádio de baixo custo com um negócio emergente de baterias de vanádio. 

Para Paulo Misk, CEO da Largo Inc, apesar de algumas manutenções temporárias e problemas logísticos globais ocorridos durante o trimestre, a Companhia normalizou seus fluxos operacionais e se posicionou para se beneficiar dos preços mais fortes do vanádio, o que elevou a receita por libra vendida no primeiro trimestre de 2022 em 34%. “Agora, ajustamos nossa produção, vendas e orientação de custos para todo o ano de 2022, considerando o primeiro trimestre mais fraco, bem como as contínuas pressões inflacionárias globais e o fortalecimento do real brasileiro em relação ao dólar americano”. 

Segundo Misk, a Largo está confiante em sua capacidade de atingir essas metas atualizadas e focadas em realizar melhorias adicionais em suas vendas e taxas de produção daqui para frente. “Nossa equipe de vendas comerciais continuou a capitalizar os fortes fundamentos atuais do mercado de vanádio, superando 1.200 toneladas de equivalente a V2O5 vendidas em abril. A Companhia aumentou seu estoque em trânsito durante o trimestre, que esperamos reduzir durante o segundo semestre do ano por meio de maiores volumes de vendas após a melhoria esperada das restrições logísticas globais.” 

A configuração da bateria de fluxo redox de vanádio (VRFB) da Largo Clean Energy (LCE) para desenvolvimento de produtos e centro de fabricação de pilhas, em Massachusetts, EUA, deve ser concluída em maio deste ano. A LCE começou a produzir pilhas e eletrólito purificador nas novas instalações, com possíveis visitas a clientes ocorrendo em maio de 2022. Já a Largo Physical Vanadium (LPV) continuou a progredir e busca todas as aprovações regulatórias e da bolsa de valores aplicáveis para se tornar uma holding de vanádio listada publicamente que comprará e manterá vanádio para fornecer a potenciais investidores com propriedade e exposição ao vanádio.