Faturamento aumenta 3,6% em maio

01/07/2022
As exportações renderam US$ 1.087 milhões em maio, um crescimento de 33,4% quando comparado a maio de 2021.

Segundo dados divulgados pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), o setor registrou faturamento de R$ 28 bilhões em maio de 2022, um aumento de 3,6% na comparação com o mesmo mês do último ano. A receita líquida interna somou R$ 22.697 milhões no mês, incremento de 3,2% sobre maio de 2021, enquanto o consumo aparente totalizou R$ 33.711 milhões em maio de 2022, ou 3,2% a menos em relação ao mesmo mês do ano passado. 

As exportações renderam US$ 1.087 milhões em maio, um crescimento de 33,4% quando comparado a maio de 2021. Já as importações somaram US$ 2,063 bilhões, um aumento de 7,9% sobre maio do último ano. Com isto, o setor fechou o mês com déficit de US$ 976 mil, 11,1% inferior ao registrado um ano antes. 

A Abimaq registrou 392,4 mil pessoas nos postos de trabalho em maio de 2022, um acréscimo de 6,4% na comparação com maio do ano passado. 

Nos cinco primeiros meses de 2022, o faturamento alcançou R$ 122 milhões, uma queda de 4,1% sobre o mesmo período de 2021. Já a receita líquida interna e o consumo aparente somaram R$ 98.184 milhões e R$ 153.890 milhões até maio, o que corresponde a reduções de 5,2% e 7,4%, respectivamente. 

As vendas externas alcançaram US$ 4.588,51 milhões, enquanto as importações ficaram em US$ 9.794,21 milhões, o que significa acréscimos de 31,7% e 13,4%, respectivamente, na comparação com os cinco meses iniciais de 2021. O setor fechou o período entre janeiro e maio de 2021 com déficit de US$ 5.205 milhões, um decréscimo de 81,1%. Os postos de empregos na média, em 2022, somaram 390,4 mil, um aumento de 8,9% sobre o mesmo período de 2021. O nível de capacidade instalada ficou 0,6% acima do registrado em abril, atingindo ocupação de 77,4% das instalações. Apesar disto, o nível médio observado foi de 78,1%, ou 1,2% abaixo do nível do mesmo período de 2021. A carteira de pedido, medida em número de semanas para atendimento, apresentou leve queda em relação a abril de 2022 (-1,9%), e também na comparação com maio de 2021 (-6%). No ano, a carteira de pedidos encolheu 1,1%, mas se manteve ao nível de quase 12 semanas, ou 3 meses, de atividades, mesma carteira de 2021.