Centro de Operações Integradas em Germano

17/06/2022
O modelo de gestão do COI tem como meta a melhoria constante de segurança e gestão de riscos, além da integração de pessoas e processos.

A Samarco iniciou as atividades da nova sala integrada no Complexo de Germano, em Mariana (MG), parte do Centro de Operações Integradas (COI). A migração de todas as salas de controle para o local, incluindo mina, britagem, filtragem de rejeitos, concentradores e mineroduto com conexão virtual com a sala de Ubu, marca um novo modelo de gestão de planejamento e operações integradas. 

A empresa acredita que, através da integração das áreas de planejamento, operações, gestão de ativos, processos, gestão ambiental e plano de vendas, consiga melhorias significativas nos resultados e na segurança operacional e de processos. “Quando integramos dentro de uma visão sistêmica e de controle áreas como gestão de ativos, meio ambiente, planejamento de mina e as operações, melhoramos a segurança operacional e do negócio. Além disto, o Centro ajuda os gestores a pensar o “ótimo global”, ao invés do “ótimo local”. Uma operação segura e responsável é a sustentação da estratégia de nosso negócio”, afirma o presidente da Samarco, Rodrigo Vilela. 

O modelo de gestão do COI tem como meta a melhoria constante de segurança e gestão de riscos, além da integração de pessoas e processos dentro da governança prevista no ESG. Implementada em 2021 como projeto-piloto, a iniciativa está alinhada ao propósito da Samarco de realizar uma mineração diferente, mais segura e sustentável. O COI promove a integração dos processos desde a extração do minério em Germano, passando por etapas como o tratamento, a filtragem e disposição do rejeito, transporte e recebimento da polpa de concentrado, pelotização, até o embarque no Terminal Portuário, em Ubu, no Espírito Santo. “O COI impulsiona e fortalece as ações preventivas. A partir dos resultados gerados é possível antecipar problemas no processo de produção e na gestão de eventos críticos. Observamos o aperfeiçoamento de nossas respostas, com tomada de decisões mais ágeis, efetivas e com visão sistêmica da cadeia produtiva da mina ao porto”, concluiu o diretor de Planejamento e Operações, Sérgio Mileipe.

Tags