Remineralizadores são tema de debate

05/05/2022
O principal benefício dos remineralizadores é aumentar a eficiência do uso de nutrientes.

O E-Mineração do Brasil 2022 debateu, no dia 3 de maio, o tema “Remineralizadores de Solos no Brasil”. Participaram da mesa-redonda o diretor de Geologia e Recursos Minerais (DGM) do Serviço Geológico do Brasil (SGB-CPRM), Marcio Remédio, o pesquisador da Embrapa Cerrado, Éder Martins, o advogado Ottavio Carmignano, e o diretor do Departamento de Transformação e Tecnologia Mineral (DTTM) do Ministério de Minas e Energia (MME), Enir Mendes. 

A mesa debateu a importância dos remineralizadores para o agronegócio nacional e como podem contribuir para diminuir a dependência dos fertilizantes importados pelo País. O moderador do painel, Enir Sebastião Mendes, diretor do Departamento de Transformação e Tecnologia Mineral do Ministério de Minas e Energia (MME/SGM), destacou que "os remineralizadores são considerados importantes fontes complementares de fertilização de solos, fazendo frente a uma demanda crescente por produtos e tecnologias fertilizantes e produção agrícola equilibrada e sustentável". 

Já Marcio Remédio, do SGB-CPRM, disse que a “remineralização do solo é um passo fundamental para recuperar a área agricultável do país”. Além disso, mencionou que a interação do setor mineral com o agronegócio sempre existiu, mas nunca foi tão explícita, clara e direta como agora. “A aplicação direta do pó de rocha, que antes era subutilizado, tem se revelado uma alternativa ao uso de fertilizantes químicos, mostrando ser uma excelente fonte de nutrientes para o solo”, acrescentou.

Para Éder Martins, da Embrapa Cerrado, os remineralizadores permitem criar uma nova camada de solo, podendo aplicar novas características mineralógicas para este solo, tendo impacto a longo prazo. "O principal benefício dos remineralizadores é aumentar a eficiência do uso de nutrientes. Então ele não é uma fonte com a finalidade de substituir outras fontes utilizadas, mas aumentar a eficiência e uso de nutrientes de uma forma geral. A Embrapa e o Serviço Geológico do Brasil fez um estudo que aponta que temos uma fonte de insumos a menos de 300 km de qualquer área agrícola do Brasil, o que mostra o grande potencial de desenvolvimento do setor e a possibilidade de  todas as áreas agrícolas e de pastagens do País", analisa o pesquisador da Embrapa. 

O CEO da mineradora Pedra Congonhas, Ottavio Raul Carmignano, destacou três desafios do setor mineral para o crescimento na produção de remineralizadores, principalmente na adequação à legislação. "Não se consegue aumentar a capacidade de produção de uma empresa por dez vezes sem a alteração de uma licença ambiental. O setor mineral tem as competências necessárias e está preparado para fomentar a produção e entregar produtos com confiabilidade e qualidade. No entanto, é necessário apoio para que os procedimentos legais que atendam a toda a legislação vigente sejam mais rápidos". Além disso, Carmignano ponderou serem necessários investimentos em pesquisas e tecnologia. "A mineração está dando seu passo para aumentarmos os nossos conhecimentos de maneira a produzir sempre o bem mineral de qualidade, que atenda a legislação e que entregue os resultados que os produtores esperam". Marcio Remédio concluiu que o SGB-CPRM está em constante busca por alternativas sustentáveis para a mineração e agricultura, pautando suas pesquisas na vocação agrícola e na geodiversidade do país. “É uma pauta que envolve logística, economia e sustentabilidade. A disseminação desse assunto traz benefícios ao setor mineral brasileiro. Ele aproxima a indústria mineral da população, já que o cidadão comum entende no dia a dia a utilização de insumos minerais em benefício da agricultura", concluiu.