Gerdau assina Manifesto do Hub-EC

21/06/2022
A adesão reforça a participação da empresa no engajamento e troca de conhecimento e a co-criação de soluções circulares.

A Gerdau assinou o Manifesto para Transição Circular, documento elaborado pelo Hub de Economia Circular Brasil (Hub-EC) para formalizar o compromisso de empresas e instituições com um novo equilíbrio econômico. A adesão reforça a participação da empresa no engajamento e troca de conhecimento e a co-criação de soluções circulares, apostando no modelo de colaboração para transformar o mindset de negócios. Além da Gerdau, outras treze organizações que também são membros do Hub-EC chancelaram o manifesto, incluindo nomes como IPT, Nespresso, Electrolux, RCRambiental, CEBRI, Covestro e Wise.

O Manifesto foi desenvolvido a partir do aprendizado dos dois primeiros anos do Hub-EC, posicionando o ecossistema como o primeiro da América Latina a reunir empresas de diversos setores e tamanhos para a construção de negócios circulares. O texto destaca que a transição circular é mais um elemento-chave para a competitividade de negócios, tratando-se de uma agenda estratégica para trabalhar junto a fornecedores, parceiros, clientes e órgãos reguladores. A partir dessa sinergia, é possível determinar ações em larga escala e estabelecer novas relações comerciais. “É um orgulho para a Gerdau fazer parte dessa iniciativa, que reforça o compromisso com a criação de soluções sustentáveis e transformadoras para os nossos negócios e todo o ecossistema em que estamos presentes. Historicamente, a empresa trabalha na busca de soluções aos desafios enfrentados pela sociedade e, mais uma vez, se une a parceiros para deixar um legado positivo, uma vez que entende que a economia circular guiará o futuro das organizações. A Gerdau busca equilibrar os pilares econômico, social e ambiental, alinhando suas práticas ao conceito de economia circular”, afirma Paulo Boneff, líder de Responsabilidade Social da Gerdau.

O Manifesto aborda a economia circular não como um ativo de marketing, mas como uma prioridade entre as discussões internas das empresas, do chão de fábrica à presidência, visando ao redesenho de processos. Além disso, a Gerdau reitera que a definição de lucro e de geração de valor se dá, agora, por uma nova régua econômica, que inclui as fases de design, seleção de matérias-primas, uso e pós-uso de um produto. O documento do Hub-EC defende, ainda, a economia circular como parte de uma agenda estratégica nacional para o alcance dos 17 ODS, da Organização das Nações Unidas (ONU), e o combate às mudanças climáticas. “É muito gratificante acompanhar o aprendizado das empresas-membro, que resulta da criação de uma inteligência coletiva única, capaz de demonstrar que ações isoladas não são o suficiente. Toda a cadeia tem que trabalhar junta, é uma tendência global de ecossistemas de impacto”, diz a diretora do Hub-EC, Beatriz Luz. Ela quer que outras empresas, instituições e órgãos públicos assumam o compromisso de colocar a economia circular em suas principais prioridades e metas.