FLSmidth promove curso para mulheres no Chile

19/11/2021

Por meio de um curso introdutório ao beneficiamento de minérios, oferecido a 32 alunos do ensino médio, a FLSmidth procura estimular a participação feminina na mineração desde a fase escolar. De acordo com os últimos dados publicados pelo Conselho Nacional de Educação (CNED), nas bases de dados INDICES, o total de mulheres matriculadas em 2020 em carreiras técnicas relacionadas com a mineração corresponde a 16.113, o que equivale a 19% do total de alunos matriculados. Com base nesses dados e ciente da necessidade de aumentar a participação feminina nas operações de mineração e fornecer habilidades que promovam a diversidade de gênero em uma indústria tão masculinizada, como a mineração, a FLSmidth treinou um grupo de 32 alunas do 4º ano do ensino médio no Liceo de Salamanca, na Região de Coquimbo, através do curso “Processamento de Minerais de Cobre”. 

Na cerimónia de lançamento do curso, que contou com a presença de autoridades da comunidade educativa, executivos de empresas, representantes da municipalidade, pais e encarregados de educação, a empresa entregou aos alunos participantes dispositivos Tablets com os conteúdos do plano de estudos. “É um curso introdutório que explica todas as etapas do processamento do minério de cobre, ou seja, desde quando o cobre está na rocha até o que é um cátodo e como ele é comercializado no mercado, além de ensinar como nossos equipamentos funcionam ao longo do processo de mineração”, disse Daniela Musalem, vice-presidente de Recursos Humanos para a América do Sul da FLSmidth.

A principal vantagem desse programa de treinamento está na abordagem à educação infantil. Este fato marca o posicionamento da empresa, uma vez que a atual oferta de planos de formação dirige-se habitualmente a pessoas já formadas tanto em institutos profissionais como em centros técnicos de ensino. “Damos um passo além, pois buscamos participar do processo de formação em nível escolar para a mineração. Estudos mostram que homens e mulheres têm uma porcentagem semelhante de participação educacional, mas as mulheres entram no mundo do trabalho em menor grau”, disse o vice-presidente de Recursos Humanos da FLSmidth para a América do Sul.

O programa de capacitação oferecido pela empresa busca mitigar a defasagem de mão-de-obra e, assim, motivar as mulheres a fazerem parte desse setor produtivo. “O que queremos, em última instância, é que as jovens internalizem que a mineração também é para as mulheres”, acrescentou a executiva.

No curto prazo, pretende-se que as jovens pretendam realizar o seu estágio profissional na FLSmidth, enquanto a médio e longo prazo pretende-se que continuem uma carreira técnica ou profissional ligada à mineração. “Um dos alunos que participaram desse programa realizado anteriormente em Santiago, ingressou na USACH para estudar Engenharia de Minas. É esse tipo de impacto que queremos continuar gerando”, disse Daniela Musalem.