Lucro líquido de R$ 4,3 bilhões é recorde

03/08/2022
Receita líquida da companhia totalizou R$ 23 bilhões entre abril e junho, uma alta de 9% sobre igual período do ano anterior.

“O melhor semestre em 121 anos de história da Gerdau” – foi desta forma que Gustavo Werneck, diretor presidente da companhia, definiu o desempenho registrado de janeiro a junho deste ano, abordando particularmente os resultados obtidos no segundo trimestre de 2022, quando obteve Ebitda ajustado de R$ 6,7 bilhões, com margem Ebitda ajustada de 29,1%, recorde histórico para o período entre abril e junho. O resultado reflete os níveis elevados de consumo de aço dos setores da construção e industrial na América do Norte. O Ebitda da Operação da empresa na região dobrou no segundo trimestre na comparação anual, somando o valor recorde para um trimestre de R$ 2,8 bilhões, com margem Ebitda ajustada recorde de 33,1%.

O lucro líquido ajustado da Gerdau atingiu R$ 4,3 bilhões no segundo trimestre de 2022, também um recorde histórico para o período, o que representou um aumento de 28% na comparação anual. Por sua vez, a receita líquida da companhia totalizou R$ 23 bilhões entre abril e junho, uma alta de 9% sobre igual período do ano anterior, com as vendas físicas de aço alcançando 3,2 milhões de toneladas.

“A Gerdau vem se mostrando resiliente para enfrentar as incertezas dos cenários macroeconômicos, gerando melhores resultados e mais valor para os clientes e acionistas”, prosseguiu Werneck em sua análise, reafirmando que a demanda por aço se mantém em patamares elevados, especialmente na América do Norte. O diretor presidente destacou ainda o lançamento do novo Relatório Anual da companhia, que pelo terceiro ano seguido utiliza os padrões GRI e, pela primeira vez, recebeu auditoria externa, “reforçando o nosso compromisso com a transparência. No documento, registramos, por exemplo, o aumento de mulheres em posição de liderança, de 17%, em 2019, para os atuais 23,6%, frente ao nosso compromisso de atingir o patamar de 30% em 2025”.

O nível de endividamento também é o menor da história da companhia com a relação entre dívida líquida e Ebitda ajustado se reduzindo de 0,65x para 0,18x em junho de 2022 na comparação com o mesmo mês do ano anterior. A redução se deve tanto ao importante aumento do Ebitda ajustado registrado no período como à expressiva redução de dívida líquida. “Ressalto também que a dívida bruta da empresa atingiu seu menor nível ao final do segundo trimestre, somando R$ 12,4 bilhões, o que reforça o nosso compromisso com a solidez financeira da Companhia”, disse Rafael Japur, CFO da Gerdau.

De abril a junho de 2022, a Gerdau investiu R$ 959 milhões, sendo R$ 661 milhões em manutenção e R$ 298 milhões em iniciativas de expansão e atualização tecnológica. Do total investido no período, R$ 126 milhões contemplam expansão de ativos florestais, atualização e aprimoramento de controles ambientais, incrementos tecnológicos que resultam em eficiência energética e redução de emissões de gases de efeito estufa.

Mineração garante competitividade

De acordo com Werneck, a competitividade da Gerdau está no fato de a empresa possuir mineração própria – “a atividade minerária continuará sendo de grande relevância. Vamos continuar investindo cada vez mais em novos processos, como o empilhamento a seco e eliminação de barragens. Queremos ser o estado da arte na mineração sustentável”. Os investimentos serão na totalidade para garantir o suprimento de minério de ferro para suas operações de aço.

Tags