15/02/2017
SERRA DOS CARAJÁS

Vale e Emílio Goeldi divulgam estudo sobre a flora

Já está disponível o primeiro volume, de um total de três, do projeto Flora das cangas da Serra dos Carajás, que tem como objetivo estudar a vegetação na região. O trabalho, fruto de pesquisas de profissionais do Museu Paraense Emílio Goeldi e do Instituto Tecnológico Vale (ITV), foi iniciado em 2015 e reúne informações levantadas por mais de 55 botânicos e 22 instituições do Brasil e do exterior sobre 139 gêneros e 248 espécies da flora de Carajás. A expectativa do Museu Emílio Goeldi é de que até o final de 2017 cerca de 10% das 7.071 espécies de flora do Pará já estejam catalogadas.

 

Durante os levantamentos, os pesquisadores identificaram quatro novas espécies de Ipomoea, flor nativa de Carajás. Dados anteriores consideravam apenas três espécies endêmicas da região de canga – ecossistema vegetal associado a locais onde ocorre a elevação de rochas ferruginosas e que abrigam seres vivos específicos às características locais. De acordo com o Museu Emílio Goeldi, “as cangas de Carajás são a maior lacuna de conhecimento da flora brasileira devido à dificuldade de conciliar a biodiversidade e a exploração mineral”.

 

Além do levantamento da flora existente na canga da Serra dos Carajás, o projeto pretende ainda traçar um comparativo com outras áreas já inventariadas na Amazônia e Mato Grosso.