01/11/2017
CPRM

Mudanças para se adequar à lei das Estatais

O Serviço Geológico do Brasil (CPRM) está promovendo uma modernização no sistema de gestão, com foco em governança, otimização de processos e parcerias, desenvolvimento tecnológico e busca por novas fontes de receita. O objetivo da mudança é garantir a excelência dos produtos e serviços que a empresa oferece à sociedade e se adequar à Lei das Estatais, vigente desde o ano passado. 
 
O planejamento estratégico da CPRM 2017/2021 contou com a participação de empregados e representantes, além do apoio da Fundação Dom Cabral para seu desenvolvimento. O resultado desse trabalho culminou no Mapa Estratégico da CPRM/SGB 2017/2021, que atualizou a missão e visão de futuro da CPRM, como forma de servir de referência na geração de conhecimento e no desenvolvimento de soluções efetivas em geociências para o bem-estar da sociedade.
 
As diretrizes definem “valores públicos” que a CPRM entrega à sociedade através de projetos e ações, relacionados à colaboração para o ordenamento territorial e uso racional dos recursos naturais, prevenção e mitigação das consequências dos desastres naturais, o desenvolvimento das atividades do setor mineral e aumento da disponibilidade hídrica no país. As diretrizes também reconhecem a importância das pessoas nesse processo.
Posteriormente, a CPRM mobilizará estrutura com base em indicadores e metas acompanhada por um processo de formação de lideranças, que visa capacitar os colaboradores para esse modelo de gestão por resultados. O recém-implantado Escritório de Projetos irá monitorar os indicadores e metas definidos e busca favorecer o alcance dos objetivos, desdobrando-os em aumento de produtividade e efetividade no investimento dos recursos públicos.
 
Em outro foco, a CPRM tem como objetivo a popularização das geociências no Brasil, utilizando o Museu de Ciências da Terra como um importante vetor de divulgação desse conhecimento para a sociedade. Além disso, a certificação junto à ANP proporcionou a CPRM ser reconhecida como entidade de pesquisa e pleitear recursos para aplicação em projetos de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D). Outro ponto é a criação do Instituto de Ciências e Tecnologia (ICT) e transformação do CEDES em um Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT). Isto proporcionará o desenvolvimento de estudos avançados em linhas de pesquisa previamente aprovadas pela Diretoria Executiva e a utilização de novas tecnologias, trabalhos que serão realizados em parceria com as áreas técnicas da instituição. 
 
Todas essas ações serão capitaneadas pelo programa CPRM Digit@l, com o objetivo de consolidar o processo de mudança e comunicação da empresa pública à sociedade e empregados, além de atender todas as exigências legais. 

Veja também