Programa preserva fauna e flora de floresta

20/07/2022
Em 2021, O projeto conseguiu resgatar 14.362 espécimes, distribuídas em 103 espécies, de 44 gêneros e sete famílias botânicas.

A Mineração Rio do Norte (MRN) desenvolve práticas sustentáveis para minimizar os possíveis impactos na Floresta Nacional Saracá-Taquera, onde o seu projeto de bauxita ocupa apenas 4,24 % da área total da unidade de conservação. Entre as iniciativas para preservar fauna e flora local, a mineradora tem o Programa de Resgate, Salvamento, Multiplicação e Reintrodução da Flora (PRSF), que tem o objetivo de realizar o resgate e reprodução de espécies da flora, para posterior reintrodução em áreas em processo de recuperação após o término das atividades de lavra.

Em 2021, O projeto conseguiu resgatar 14.362 espécimes, distribuídas em 103 espécies, de 44 gêneros e sete famílias botânicas. Esse quantitativo é composto em sua maioria por espécimes epífitas (76,72%), seguidos de hemiepífitas (15,07%) e terrestres (8,20%). “O Epifitário da MRN é um espaço de conservação dessas espécies e começou, de forma voluntária, em 2001. Após o resgate, é feita triagem e o beneficiamento das plantas. Em seguida, se estiverem aptas, são reintroduzidas na área de floresta. Colocamos até dez indivíduos de uma mesma espécie em cada árvore e, após isso, fazemos o monitoramento delas”, explica Talita Godinho, analista ambiental da MRN.

João Batista, consultor técnico da MRN  integrante do Programa, atua há mais de 40 anos cuidando de plantas em áreas remotas e na floresta, com dedicação exclusiva ao estudo da botânica de epífitas e hemiepífitas. Desde 2008, o profissional conduz o programa de resgate e reintrodução destes exemplares na Flona. “Eu atuo no salvamento de epífitas, entre elas orquídeas, bromélias e aráceas, que são resgatadas durante a supressão vegetal e depois levadas para o Epifitário”, explica. Ele contribui, juntamente a outros pesquisadores e técnicos da empresa, na identificação e catalogação dos exemplares resgatados, que são monitorados e fazem parte do acervo da empresa. “Temos mais de 150 espécies de orquídeas, 75 espécies de bromélias, 25 espécies de aráceas no Epifitário. É onde garantimos a sobrevivência das espécies”, afirma. 

A MRN faz a preservação de materiais botânicos desde 2016 para compor a sua coleção científica. A mineradora já possui armazenados 892 exemplares vegetais. Nos últimos anos, a MRN identificou 14 novas espécies dentro do Projeto MRN, entre elas Catasetum taquerense e Catasetum sacará-taquerense, pertencentes à família das orquídeas, que receberam esses nomes em homenagem à unidade de conservação. A atividade de resgate também tem interface com o Programa de Recuperação de Áreas Degradadas, pois fornece espécimes para enriquecimento ambiental de áreas em restauração florestal.