JCB anuncia investimentos de R$ 500 milhões na América Latina

17/06/2024
Com investimentos, a empresa tem a meta de dobrar de tamanho até 2030

 

A JCB anunciou investimentos de aproximadamente R$ 360 milhões para expansão das operações, dos quais R$150 milhões para a modernização da fábrica em Sorocaba (SP).

A empresa irá investir R$ 500 milhões em sua operação na América Latina com a meta de dobrar de tamanho até 2030. É o maior investimento feito pela empresa e um dos maiores do setor nos últimos anos na região.

A companhia vai aplicar ainda no desenvolvimento de novos produtos e nacionalização de alguns equipamentos mais R$ 50 milhões, e outros R$ 50 milhões pela rede de distribuidores. “Encerramos, no começo deste ano, um ciclo de investimentos de R$ 120 milhões iniciado em 2021. Agora entramos num novo ciclo com uma etapa de modernização que irá aumentar nossa capacidade e produtividade”, informou o presidente da JCB América Latina, Adriano Merigli. Segundo o executivo, a empresa teve o seu segundo melhor ano no país em 2023 com a venda de 3,5 mil máquinas no mercado interno. “Pretendemos crescer 10% neste ano, enquanto o setor como um todo deve crescer em torno de 5%”, disse Merigli.

Parte deste crescimento virá da expansão do portfólio e de uma maior participação de mercado em pesados. Entre os lançamentos recentes da JCB estão a carregadeira 455ZX e o manipulador telescópico Loadall 540-70, além da escavadeira 220NXT, da miniescavadeira 35Z e das minicarregadeiras 135 HD e 155HD. Estima-se que o investimento deverá gerar 1.000 novos empregos, sendo 300 diretos e cerca de 700 indiretos. Atualmente a empresa tem 600 empregados na América Latina, em sua maior parte baseados no headquarter regional em Sorocaba, cuja produção atende a todos os países da região. Na JCB, 40% das vendas são para o setor de construção (incluindo mineração), 25% para o agronegócio e outros 20% para empresas de locação de equipamentos. “Vamos crescer em todos”, disse o presidente. Ele finaliza comentando sobre a força do agronegócio brasileiro: “Apesar dos grandes desafios na última safra, nosso agro não para. E deve seguir crescendo”.