G Mining Ventures terá US$ 481 milhões para Tocantinzinho

18/07/2022
O projeto continua dentro do cronograma para atingir a produção no segundo semestre de 2024.

A G Mining Ventures firmou compromissos vinculativos com relação a um pacote abrangente de financiamento de construção de US$ 481 milhões para o desenvolvimento e construção de seu Projeto de Ouro Tocantinzinho. O projeto continua dentro do cronograma para atingir a produção no segundo semestre de 2024. Do valor total de financiamento, US$ 116 milhões foram obtidos por meio de uma colocação privada com investidores estratégicos ao preço de C$ 0,80 por ação ordinária; investimento de US$ 68,8 milhões de La Mancha Investments S.à r.l., investimento de US$ 27,5 milhões da Franco-Nevada Corporation e aportes de US$ 20 milhões da Eldorado Gold Corporation. 

O fluxo de ouro de US$ 250 milhões com a Franco-Nevada representa um dos maiores fluxos de ouro de em uma mina de ouro primário. Há também o empréstimo de prazo garantido sênior de US$ 75 milhões de Franco-Nevada e US$ 40 milhões em financiamento de equipamentos com a Caterpillar Financial Services Limited. O fluxo de ouro e os financiamentos de empréstimos a prazo estão fechados, e o restante do pacote de financiamento deve ser fechado no terceiro trimestre de 2022. “Temos o prazer de dar as boas-vindas a dois novos parceiros fundamentais, Franco-Nevada e La Mancha, comprometidos com o sucesso e crescimento de longo prazo da GMIN. Seu compromisso, juntamente com o apoio contínuo da Eldorado Gold, valida ainda mais a equipe de gestão e o trabalho realizado para avançar o Projeto desde sua aquisição em 2021. Com base em nosso Estudo de Viabilidade positivo divulgado no início deste ano, este pacote de financiamento marca o próximo passo na progressão da GMIN e nos permite continuar a desbloquear valor na mina. O desenvolvimento iminente do projeto agregará valor ao nosso crescente grupo de partes interessadas, incluindo a geração de oportunidades de trabalho atraentes e prosperidade econômica no Estado do Pará”, disse Louis-Pierre Gignac, presidente e CEO da GMIN.