Minas-Rio tem Ebitda recorde de US$ 1,8 bi

29/07/2021

O grupo Anglo American no Brasil registrou Ebitda de US$ 1,877 bilhão no Minas-Rio no primeiro semestre de 2021, o que representa crescimento de 135% em relação ao mesmo período do ano passado. Esse resultado reflete uma média mais alta nos preços do minério de ferro e a forte valorização do dólar. Nas unidades de níquel da empresa no Brasil, localizadas em Goiás, o EBITDA saiu de US$ 64 milhões no primeiro semestre do ano passado para US$ 135 milhões em igual período deste ano, avanço de 111%, o que reflete os maiores preços realizados do níquel no mercado.

A produção de minério de ferro no Minas-Rio somou 11,4 milhões de toneladas no primeiro semestre de 2021, uma redução de 9% em comparação com o mesmo período de 2020, quando foi produzida 12,6 milhões de toneladas. No segundo trimestre, a produção recuou em 5%, de 6,1 para 5,9 milhões de toneladas em relação a igual período do ano anterior. A produção foi impactada por manutenções não planejadas na planta de beneficiamento, já concluídas, com a maior parte dos volumes com previsão de recuperação durante o restante do ano. O Minas-Rio vem consolidando seu processo de ramp-up, rumo ao volume nominal de produção de 26,5 milhões de toneladas de minério de ferro ao ano, que deverá ser alcançado nos próximos anos.

Nas unidades de níquel, uma operação mais antiga e estável, a produção do semestre foi de 20,7 mil toneladas, redução de 5% em relação às 21,7 mil toneladas do mesmo período em 2020, refletindo o menor teor de minério planejado para o período. No segundo trimestre, houve uma redução de 2% na produção de níquel, com 10,6 mil toneladas, em relação ao mesmo período do ano anterior. Esse volume já é muito próximo da capacidade instalada das plantas de níquel, o que explica a estabilidade. As expectativas para 2021 são de produzir entre 24 e 25 milhões de toneladas de minério de ferro e entre 42 e 44 mi toneladas de níquel. 

Os investimentos institucionais da Anglo American foram superiores a R$ 128 milhões no Brasil, entre 2018 e 2021. Em 2018, o valor investido foi de R$ 20,1 milhões; em 2019, de R$ 36,5 milhões; e em 2020, de R$ 51,1 milhões. Apenas no primeiro semestre de 2021, os investimentos já chegaram a R$ 20,1 milhões. Os recursos foram investidos em áreas como saneamento, desenvolvimento da capacidade institucional, desenvolvimento da comunidade, educação e treinamento; esporte, lazer, cultura, artes, turismo e patrimônio, além de meio ambiente; mobilidade urbana; saúde, bem estar e segurança pública. A aplicação dos recursos nessas áreas está alinhada com o Plano de Mineração Sustentável da companhia, que tem como pilares: ambiente saudável, comunidades prósperas e ser um líder corporativo confiável.

Na área ambiental, a Anglo American está investindo R$ 7 milhões no programa Juntos pelo Araguaia, lançado pelo Governo Federal em parcerias com os governos do Mato Grosso e Goiás. O objetivo é promover ações de recomposição de áreas florestais, preservação de nascentes e conservação do solo e da água na Bacia do Rio Araguaia, além de implantar ações de saneamento em cidades da região. Além disso, a companhia aporta mais R$ 2 milhões no projeto que vai recuperar 23 nascentes degradadas das bacias do rio Santo Antônio, que nasce no município de Conceição do Mato Dentro, em Minas Gerais, além de cerca de oito mil metros lineares de áreas de preservação permanente da região. 

A Anglo American investiu mais R$ 130 milhões em ações internas e externas de combate e prevenção ao Coronavírus no Brasil. Já em março de 2020, a empresa adotou medidas para garantir a segurança das comunidades e dos empregados, passando a trabalhar com contingente reduzido em suas operações e adotando diversas medidas de prevenção. Nas instalações da companhia, houve a obrigatoriedade do uso de máscaras em todas as instalações, o distanciamento de pelo menos dois metros durante atividades, em refeitórios e filas para almoço, além de aferição diária de temperatura. A companhia tem doado também itens como respiradores mecânicos, desfibriladores, máscaras cirúrgicas, óculos de segurança ampla, aventais descartáveis, macas e camas hospitalares e testes rápidos e exames laboratoriais para Covid-19.
A Anglo American anunciou, em 29 de julho, doação de R$ 100 milhões para apoiar o trabalho de sustentabilidade da Fundação Anglo American. A Fundação tem como foco acelerar o progresso dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (ODSs), especialmente em programas que capacitam mulheres, jovens e grupos vulneráveis ​​nas comunidades anfitriãs da Anglo American nos diversos países onde opera. Em parceria com organizações sem fins lucrativos, públicas e privadas, a Fundação Anglo American apoia projetos de saúde, educação, economia, boa governança e ambientais alinhados com as metas do Plano de Mineração Sustentável da Anglo American, projetado para se alinhar com os ODSs. 

Os projetos globais que irão receber financiamento da Fundação Anglo American incluem: iniciativas de conservação/biodiversidade a água e mudanças climáticas que beneficiam as comunidades e a sociedade de forma mais ampla ; educação em saúde, vigilância em saúde e sistemas de dados, infraestrutura de saúde, medicamentos e vacinas, passando pela nutrição infantil e garantindo água potável e saneamento e desenvolvimento da primeira infância até o ensino fundamental, médio, universitário e profissionalizante, bem como o desenvolvimento mais amplo da juventude.