09/08/2017
MINERAÇÃO E COMUNIDADES

Um método para prever conflitos sociais

A empresa britânica Chalkstone desenvolve trabalho através de método exclusivo que prevê qualquer tipo de rejeição ou conflito social relacionado aos seus projetos, antes mesmo de tentar passar por um processo de licenciamento. "Tomamos uma abordagem sistêmica e misturamos metodologias, combinando grandes dados e análises quantitativas com etnografia, entrevistas qualitativas e grupos focais, o que nos ajuda a aprofundar questões específicas e a definir com precisão a posição social de um grupo-alvo", diz Donald Bray, fundador da empresa, antropólogo político e acadêmico da Universidade de Cambridge.
 
Bray afirma que não tem como objetivo apenas ajudar mineradoras em seus projetos, mas mostrar a estas empresas como construir uma confiança mútua com os grupos que vivem nas áreas em que operam. "Não nos interessa se a comunidade é, de qualquer forma, aproveitada", diz ele. "Nossa diligência é executada em várias direções diferentes". 
 
Com 15 anos de atuação em zonas de conflito, o especialista não vê as mineradoras como “grandes vilãs”, mas afirma que a maioria das ferramentas atualmente disponíveis não as ajuda a entender o aspecto humano de seus projetos. A metade de todos os riscos enfrentados pelas empresas extrativas não são técnicos, o que, por sua vez, representa quase 75% dos atrasos de todos os projetos. "Para uma empresa de mineração de médio a grande porte, os custos desses atrasos (riscos sócio-políticos e comunitários) podem somar cerca de US$ 20 milhões por semana", diz Bray. "Isso é enorme e merece muito mais atenção do que meros cortes de caixa ou formas de filantropia corporativa". 
 
A Chalkstone foi contradada em 2015 pela mineradora de esmeralda e rubi Gemfields para um estudo intensivo sobre uma mina de rubi e um depósito de cobre no Afeganistão, aplicando táticas de contra-insurgência usadas por tropas infiltradas. Na época, a firma de gemas preciosas comprometeu-se a construir uma mina de esmeralda na Colômbia. A Chalkstone criou uma plataforma de comunicação baseada em mensagens de texto, o que permitiu que a empresa de mineração e as comunidades locais conversassem um com o outro. Nomeado pela comunidade como "Suna Verde" (que significa "Caminho Verde" na língua aborígene de Muisca), o sistema manteve os locais atualizados em tudo, desde iniciativas de treinamento de trabalho até quando a "brigada de saúde" (uma equipe de médicos e enfermeiras que viajam ao redor do campo) estaria em cada vila. Suna Verde rivalizava com o rádio como a principal fonte de notícias e outras informações da região. 
 
"A experiência nos mostrou que as comunidades querem emprego, estradas, hospitais e clínicas, escolas e qualquer outro benefício oferecido pelas empresas de mineração, mas querem participar ativamente de suas decisões. Eles não querem ser apenas beneficiários da boa vontade de outra pessoa ", diz Bray.  Durante os primeiros meses de trabalho para a Gemfields na Colômbia, Chalkstone alertou a empresa de que havia uma  oposição para outra empresa de mineração internacional na região. 
 
A empresa, atualmente envolvida em projetos de mineração e petróleo e gás na África Oriental, bem como uma nova empresa na Colômbia, acredita que sua nova abordagem também pode ser útil para os investidores. 
 
"Dado que quase 66% do valor do acionista em uma mineradora junior está diretamente relacionado a riscos sócio-políticos e comunitários, de acordo com alguns cálculos, investir na compreensão do ambiente social em que um mineiro irá operar não deve ser uma reflexão tardia ou algo assim", adverte Bray. "A confiança é valiosa", conclui. 

Veja também

14/12/2017
VOTORANTIM CIMENTOS | Apoio à Gestão Pública avança no MT
07/12/2017
COPEBRÁS | Apoio a produção de mini-metragens
01/12/2017
MINERAÇÃO &/X COMUNIDADES | Mineração combina com qualidade de vida?
16/11/2017
RESPONSABILIDADE SOCIAL | VCimentos é premiada pelo segundo ano
24/10/2017
MINERACÃO & COMUNIDADES | Como conciliar desenvolvimento e qualidade de vida?