05/07/2017
TITÂNIO

Rio Grande obtém LP para Projeto Retiro

A Rio Grande Mineração recebeu, em meados de junho, a Licença Prévia (LP) para o seu Projeto Retiro, para lavra de minerais pesados (titânio e zircônio) em São José do Norte, Rio Grande do Sul, no lado oposto de Rio Grande.

 

Segundo Luiz Augusto Bizzi, diretor da empresa, durante as audiências públicas (uma em Rio Grande e outra em São José do Norte), que reuniram cerca de 500 pessoas, a empresa explicou que deve investir no empreendimento R$ 800 milhões, gerando cerca de 1.500 empregos na fase de construção e 300 durante a operação, prevista para durar pelo menos 30 anos, além de R$ 70 milhões por ano em impostos.

 

Quando estiver em operação, em 2019, a Rio Grande Mineração vai suprir principalmente o mercado interno, que hoje é atendido por importações (40 a 50%) e pela mina de Mataraca, na Paraíba, que está em fase de exaustão. A lavra será iniciada pela parte Sul da jazida, que deverá gerar 400 mil toneladas/ano de produto. Logo na sequência será lavrada a parte Norte. O start up será em 2019, alcançando-se a fase de ramp up em 2020.

 

A extração do minério, que se encontra a até 14 metros de profundidade, será através de duas dragas, sendo uma de 1.500 t/h e outra de 2 mil t/h. Uma planta de gravimetria móvel acompanha a draga. Depois o minério vai para uma planta de separação magnética, onde é feita secagem e separação eletrostática. A recuperação da área será concomitante à lavra.

 

Bizzi informa que será aproveitada a mão de obra que se encontra ociosa nos estaleiros instalados em Rio Grande, que estão sofrendo por conta da crise na Petrobrás. A Rio Grande Mineração também usará os berços instalados pelos estaleiros para realizar os embarques de produtos.

Veja também