30/07/2015
VALE

Receita bruta alcança R$ 21,8 bilhões no segundo trimestre

A Vale registrou receita bruta de R$ 21,808 bilhões no segundo trimestre de 2015, um aumento de R$ 3,444 bilhões em relação aos três primeiros meses do ano, como resultado de maiores volumes de vendas e melhor realização de preço, apesar dos menores preços de referência de minério de ferro e de níquel. O Ebitda ajustado alcançou R$ 6,817 bilhões, 47,1% acima do trimestre inicial. Entre abril e junho, a Vale investiu US$ 2,119 bilhões, enquanto o montante no primeiro semestre chegou a US$ 4,329 bilhões, o que representou US$ 727 milhões a menos se comparados com os que foram feitos no mesmo semestre de 2014. 
 
Os investimentos na execução de projetos totalizaram US$ 1,434 bilhão no trimestre, enquanto os investimentos na manutenção das operações existentes totalizaram US$ 685 milhões. Os desinvestimentos somaram US$ 445 milhões no segundo trimestre, com a conclusão da venda de quatro navios VLOCs (very large ore carriers) para a China Ocean Shipping Company (Cosco). O lucro líquido da Vale somou R$ 5,144 bilhões no trimestre contra um prejuízo líquido de R$ 9,538 bilhões do trimestre inicial. A melhora de R$ 14,682 bilhões no lucro líquido deveu-se, principalmente, ao efeito não-caixa nos resultados financeiros de apreciação de 3% do BRL contra o USD no 2T15 em comparação à depreciação de 21% do BRL contra o USD no 1T15. O lucro líquido básico totalizou R$ 2,993 bilhões no trimestre, contra um prejuízo líquido básico de R$ 2,052 bilhões no primeiro trimestre de 2015.
 
A dívida bruta da mineradora totalizou US$ 29,773 bilhões em 30 de junho de 2015, um aumento de US$ 1,286 bilhão da posição de dívida em 31 de março de 2015. A dívida líquida atingiu US$ 26,509 bilhões com posição de caixa de US$ 3,264 bilhões. A média do prazo da dívida foi de 8,4 anos com um custo médio de 4,43% por ano.
 
O Ebitda ajustado de Minerais Ferrosos alcançou R$ 5,583 bilhões no segundo trimestre, um aumento de R$ 2,663 bilhões em relação aos R$ 2,920 bilhões alcançados no primeiro trimestre do ano, principalmente como resultado de maiores preços realizados (R$ 563 milhões), maiores volumes (R$ 431 milhões), e menores custos (R$ 634 milhões). A qualidade do produto medida pela quantidade de Fe contido aumentou de 63,0% no primeiro trimestre para 63,2% no trimestre posterior, em função aos ramp-ups da mina de N4WS e dos projetos Itabiritos. O avanço físico na mina e nas instalações do projeto S11D alcançou 67%, enquanto o avanço físico em CLN S11D (ferrovia e porto) atingiu 41%, com 62% de progresso no ramal ferroviário. 
 
O Ebitda de Metais Básicos diminuiu como resultado dos menores preços de níquel. As receitas com as vendas alcançaram R$ 5,067 bilhões no segundo trimestre, ficando R$ 110 milhões abaixo dos três primeiros meses de 2015, principalmente como resultado de menores preços de níquel. O Ebitda ajustado alcançou R$ 1,246 bilhão no trimestre em comparação com os R$ 2,032 bilhões do primeiro trimestre de 2015, uma queda de R$ 64 milhões após deduzir os efeitos líquidos da transação de goldstream no trimestre inicial, principalmente como resultado do impacto negativo devido ao menor preço de níquel. Salobo alcançou R$ 366 milhões de Ebitda, um recorde trimestral, conforme a operação avança em seu ramp-up. 
 
O Ebitda de Fertilizantes aumentou de R$ 257 milhões no 1T15 para R$ 504 milhões no 2T15, principalmente devido a menores custos, maiores volumes de venda e menores despesas. O Ebitda ajustado de carvão obteve melhora, registrando R$ 318 milhões negativos no 2T15 em comparação com R$ 370 milhões negativos no 1T15, principalmente devido aos menores custos, e à despeito dos menores preços de carvão, que impactaram negativamente os resultados. A mina de Moatize II alcançou 93% de avanço físico com investimentos de US$ 172 milhões no segundo trimestre, enquanto o Corredor Nacala alcançou 89% de avanço físico com investimentos de US$ 206 milhões no mesmo período. 
 
O segundo trimestre da Vale foi marcado por redução substancial de custos, em especial com minério de ferro, e por avanços na execução de projetos da Companhia.