28/02/2018
EXPLORAÇÃO MINERAL

Pesquisa considera Brasil pouco atrativo

O Brasil se mantém como um país pouco atrativo para investimentos em exploração mineral, segundo o ranking anual elaborado pelo Fraser Institute, com base na opinião de 360 executivos que responderam a uma pesquisa pedindo para avaliar a atratividade de 91 jurisdições (países e províncias) nos diversos continentes. A pesquisa foi direcionada a 2.700 indivíduos, dos quais 360 responderam.

Dentre os principais fatores considerados na pesquisa estão as incertezas sobre impostos e regulação por parte dos governos que afetam os investimentos em exploração mineral.

Segundo os organizadores da pesquisa, um índice de atratividade do investimento é construído através da combinação com o índice de potenciais melhores práticas minerais, classificando as regiões com base em seus potenciais geológicos, e o índice de percepção política, que mede os efeitos das políticas de governo em atitudes que refletem sobre o investimento em exploração.

De acordo com a classificação do Instituto Fraser, a jurisdição com maior atratividade para investimentos em mineração é a Finlândia, que ocupava o quinto posto em 2016. Já a província de Saskatchewan, no Canadá, ficou em segundo lugar, perdendo a posição de liderança que ocupava em anos anteriores. O terceiro lugar no ranking é de Nevada, nos EUA, enquanto a Irlanda ficou em quinto lugar. A lista dos 10 mais atrativos inclui ainda Quebec, Ontário (ambos no Canadá), Chile, Arizona e Alasca (estes dois nos EUA).

Na América Latina e Caribe, o Brasil ficou atrás do Chile, Peru, México, Suriname e Colômbia.

 

Veja também

11/07/2018
BENS MINERAIS | São Paulo é o quarto maior produtor
12/06/2018
LEGISLAÇÃO MINERAL | Novos decretos mudam as regras do setor
24/05/2018
EXPLORAÇÃO MINERAL | Clima de otimismo domina VIII Simexmin
24/05/2018
POLÍTICA MINERAL | Mudanças na legislação devem sair logo
09/05/2018
EMPRESAS DO ANO DO SETOR MINERAL | “Temos que aprender a minerar gente”
25/04/2018
CÓDIGO DE MINERAÇÃO | Ministro assina decreto com mudanças