22/02/2017
BHP

Perdas com Samarco superam US$ 2 bilhões

A BHP está contabilizando, nos resultados do segundo semestre de 2016, uma perda de US$ 2,197 bilhões relacionada ao acidente com a Samarco. O valor inclui custos diretos assumidos pela BHP (US$ 70 milhões), perda com desvalorização das ações (US$ 655 milhões), impairment de investimentos que estavam sendo conduzidos pela Samarco (US$ 525 milhões) e provisão para reparação dos danos (US$ 1,2 bilhão), totalizando US$ 2,455 bilhões. Com o abatimento de benefícios de impostos no valor de US$ 253 milhões, a perda líquida ficou em US$ 2,197 bilhões.

No relatório que apresentou os resultados de 2016, a BHP informou que o reinício das operações da Samarco permanece como foco, porém está sujeita a “negociações separadas com partes relevantes” e somente ocorrerá se a operação for “segura, economicamente viável e contar com o apoio da comunidade”. A retomada das operações, explica a BHP, depende de aprovações governamentais, garantia das licenças por parte das autoridades, reestruturação da dívida da Samarco e concretização dos acordos comerciais com a Vale relacionados ao pit de Timbopeba, para disposição dos rejeitos.  

Mesmo com as perdas, a BHP está comemorando bons resultados no segundo semestre de 2016. O lucro líquido somou US$ 3,2 bilhões e a margem do Ebitda, que alcançou US$ 9,9 bilhões, aumentou 54%. Já os ganhos de produtividade totalizaram US$ 1,2 bilhão no período, sinalizando que a meta para o ano financeiro de 2017 (que se encerra em junho), de US$ 1,8 bilhão, será alcançada. Em contrapartida, houve uma redução de 38% nos investimentos de capital e gastos com exploração, que totalizaram US$ 2,7 bilhões. Para o ano financeiro de 2017, a previsão é que os investimentos somem US$ 5,6 bilhões, evoluindo para US$ 6,3 bilhões em 2018, refletindo um incremento nos gastos com exploração. A dívida também foi reduzida, passando de US$ 26,1 bilhões, em junho de 2016, para US$ 20,1 bilhões em dezembro.