03/01/2019
MINÉRIO DE FERRO

Minas-Rio pronto para a retomada

Conforme anunciado pela Anglo American, o projeto Minas-Rio está pronto para reiniciar operações, após uma extensa e detalhada inspeção técnica do mineroduto, com extensão de 529 km, que transporta o minério entre a mina e o porto de embarque no litoral do Rio de Janeiro e que havia apresentado dois vazamentos no primeiro trimestre de 2018. Além da inspeção, foi feito reparo preventivo em algumas seções da tubulação. Também foi realizada a substituição preventiva de um trecho de 4 km do mineroduto, onde ocorreram os vazamentos de polpa contendo minério e em algumas outras seções onde foram detectadas anomalias. Outra medida foi a redução, de cinco para dois anos, dos intervalos para as futuras inspeções, “a fim de garantir a integridade do mineroduto a longo prazo” e instalação de um sistema de fibra ótica de sensores acústicos, de temperatura e de vibração ao longo de seções críticas da tubulação para monitorar o desempenho.

Segundo o CEO da Anglo American, Mark Cutifani, a maioria dos funcionários foi redistribuída nas unidades ao redor do Brasil durante 2018, inclusive nas obras necessárias para garantir a licença operacional da Etapa 3 para o Minas-Rio, e treinamentos de segurança e de reciclagem. Outros foram disponibilizados, desde o início de novembro, em preparação para a retomada.

A expectativa da empresa é que a operação aumente para 1,2 milhão de toneladas (base úmida) por mês e produza aproximadamente 16-19 milhões de toneladas (base úmida) de minério de ferro em 2019, contando com a expectativa de que as licenças da Etapa 3 sejam recebidas conforme planejado. O Minas-Rio deve reportar uma perda de EBITDA de US$ 320 milhões para 2018, em comparação com a previsão de uma perda de US$ 300-400 milhões.

Veja também