Unidade da Paranapanema em Dias d'Ávila - BA

02/11/2015
PARANAPANEMA

Lucro líquido cresce 42% no 3º trimestre

A Paranapanema divulgou que 61% da receita líquida de R$ 1,5 bilhão do 3º trimestre tiveram origem na exportação, onde Ásia e América Latina foram os principais destinos dos produtos da empresa. Entre julho e setembro, o lucro líquido da Companhia produtora de cobre atingiu R$ 186,4 milhões, 42% superior ao do mesmo período de 2014, passando de uma situação de prejuízo para lucro acumulado em R$ 116,4 milhões. A margem líquida foi de 12,1%, incremento de 1,5% na comparação com o 3º trimestre de 2014.

O Ebitda Ajustado foi de R$ 160,4 milhões, com margem de 10,4%. A receita líquida cresceu 24% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior, em função do aumento do volume de vendas e da desvalorização do real frente ao dólar. “Estamos, trimestre a trimestre, atingindo importantes metas da nossa estratégia, o que vem permitindo à Paranapanema alcançar os seus principais objetivos: a previsibilidade de resultados, a sustentabilidade do negócio e a consequente geração de valor aos acionistas”, avalia o Presidente da Paranapanema, Christophe Malik Akli.

Neste trimestre, o volume de vendas, de 77,9 mil toneladas, cresceu 9% em relação ao mesmo período de 2014, em consequência do aumento de cobre primário (placas de cobre refinado) disponível para a venda, trabalho de manutenção preventiva e programada que visa a aumentar a utilização da capacidade industrial da Companhia. Do total, 36,1 mil toneladas de cobre primário foram comercializadas no período (61% a mais do que no 3T14), volume puxado pelo aumento de 143% na demanda do mercado externo.

As vendas de produtos de cobre (tubos, barras, laminados, fios e vergalhões) somaram 41,3 mil toneladas, enquanto coprodutos totalizaram 256,1 mil toneladas, quedas de 15% e 11% respectivamente, compensadas pelo aumento nas vendas de cobre primário e pela valorização da moeda norte-americana.

A Paranapanema registrou R$ 1,3 bilhão de posição de caixa, R$ 300 milhões a mais na comparação entre os trimestres, mesmo em um cenário de restrição de crédito e desaceleração da economia brasileira. Além disso, a empresa vem obtendo sucesso no processo de alongamento do perfil de endividamento, ampliando a representatividade das dívidas de longo prazo de 35% para 44% do total.