18/10/2018
AÇO

Demanda mundial deve crescer

A worldsteel (WSA) divulgou o Short Range Outlook (SRO) para outubro de 2018. Segundo o levantamento, a demanda mundial de aço atingirá 1,657 bilhões de toneladas no ano, o que representa um crescimento de 3,9% na comparação com 2017. Para o próximo ano, a previsão é que a demanda de aço aumente 1,4%, e atinja 1,681 bilhão de toneladas. “Em 2018, a demanda global de aço continuou a mostrar resiliência apoiada pela recuperação das atividades de investimento nas economias desenvolvidas e pelo melhor desempenho das economias emergentes. A demanda por aço deve permanecer positiva em 2019, crescendo 1,4% globalmente”, comentou Al Remeithi, presidente do Comitê de Economia do worldsteel. 
 
A recuperação na demanda de aço vista pelo mercado entre os anos de 2017 e 2018 deve ter impactos entre 2018 e 2019, sobretudo por conta do aumento das tensões comerciais e movimentos cambiais voláteis. A normalização das políticas monetárias nos EUA e na UE também poderia influenciar as moedas das economias emergentes.
 
No primeiro semestre de 2018, a demanda chinesa por aço foi impulsionada pelo mini estímulo no mercado imobiliário e pela forte economia global. No entanto, os esforços contínuos de reequilíbrio econômico e o endurecimento das regulamentações ambientais levarão à desaceleração da demanda por aço no final de 2018 e 2019. Os riscos negativos para a China vêm do atrito comercial atual com os EUA e de uma desaceleração da economia global. No entanto, se o governo chinês decidir usar medidas de estímulo para conter a desaceleração potencial da economia chinesa diante de um ambiente econômico em deterioração, a demanda por aço em 2019 será impulsionada.
 
A demanda por aço em países desenvolvidos deve crescer 1% em 2018 e 1,2% em 2019. A demanda norte-americana ganhou força no último ano beneficiando-se de fortes gastos de consumo e investimentos empresariais, apoiados por mudanças tributárias e regulatórias e estímulo fiscal. Espera-se que o crescimento da demanda por aço em 2019 diminua, uma vez que a atividade de fabricação e construção de automóveis deverá ter crescimento modesto. 
 
Na União Europeia é aguardada uma recuperação, mas em ritmo lento, impulsionada em especial pela demanda interna da região. O investimento e a construção continuaram a se recuperar, enquanto o mercado automotivo pode ver um crescimento mais lento da demanda. Embora os fundamentos econômicos da economia da UE permaneçam relativamente saudáveis, a demanda por aço em 2019 mostrará uma queda em relação ao crescimento observado em 2017-18, em parte devido às incertezas resultantes das tensões comerciais globais.
 
A demanda por aço no Japão deverá permanecer estável devido a fatores de apoio ao investimento (lucro corporativo recorde, continuação da flexibilização monetária, demanda associada às Olimpíadas de Tóquio e a crescente necessidade de investimentos que economizem mão-de-obra), enquanto na Coréia vai se contrair ainda mais em 2018, com todos os seus principais aços usando setores em dificuldades. Apenas uma pequena recuperação é esperada em 2019.
 
Em países em desenvolvimento a Índia se recupera dos choques gêmeos da desmonetização e da implementação do imposto sobre bens e serviços (GST), A demanda por aço será apoiada pela melhoria dos programas de investimento e infraestrutura. Atividades de construção lentas e ajustes de estoque levaram a um lento crescimento da demanda de aço na região da ASEAN em 2017 e 2018, mas a demanda na região da ASEAN deve retomar seu ritmo de crescimento apoiado por programas de infraestrutura em 2019 e seguintes. Excluindo a China, os países asiáticos devem apresentar crescimento na demanda em 5,9% e 6,8% em 2018 e 2019, respectivamente.