25/01/2017
AGREGADOS

Consumo cai para 416 milhões de toneladas em 2016

O presidente do Sindicato da Indústria da Mineração de Brita, Areia e Saibro do Rio Grande do Sul - Sindibritas e da Associação Gaúcha dos Produtores de Brita, Areia e Saibro - Agabritas, Pedro Antônio Reginato, informa eu o consumo de agregados no mercado brasileiro caiu de 741 milhões de toneladas, em 2014, para 416 milhões de toneladas no ano passado. Os dados são da Associação Nacional das Entidades de Produtores de Agregados para Construção – ANEPAC. “O setor empresarial de agregados precisa adotar uma mudança de comportamento, que o faça ter maior representatividade junto aos governantes, a fim de viabilizar a liberação desta demanda” ressalta Pedro Antônio Reginato.

O estudo promovido pela ANEPAC preocupa as entidades da mineração gaúcha, pois, após um crescimento de médio de 6,2% ao ano (2000 a 2014), no último biênio o setor registra queda de mais de 30%. Para 2017 estima-se que o consumo nacional deve manter-se no mesmo nível do ano passado, ficando para 2018 a perspectiva de crescimento em torno de 3%, e para 2019, 7%, atingindo, 543 milhões de toneladas. “Temos uma longa jornada pela frente para resgatar a força do setor. Acreditamos que os próximos anos serão melhores, pois é possível observar que haverá um crescimento da demanda de matérias-primas para a construção. No Rio Grande do Sul, não poupamos esforços para viabilizar este processo, gestionando políticas públicas que viabilizem o desenvolvimento econômico e social do estado por meio do incremento da mineração de agregados”, diz Pedro Reginato.