11/07/2018
BARRAGEM DE FUNDÃO

Como estão as áreas afetadas pelo acidente?

Cerca de dois anos e meio após o rompimento da barragem de Fundão, que espalhou cerca de 43,7 milhões de metros cúbicos de rejeitos e água ao longo dos principais rios e seus afluentes, principalmente o Gualaxo do Norte e o Rio Doce, como se encontram os trabalhos de recuperação da área previstos no TTAC (Termo de Transação de Ajustamento de Conduta) firmado entre a União, Estados (Minas Gerais e Espírito Santo), agências licenciadoras e regulatórias e as empresas Samarco, Vale e BHP?
 
Veja os detalhes na edição 381 da revista Brasil Mineral, que também aborda os desafios das empresas para obter as licenças ambiental e social, como áreas mineradas pela CBA são mais produtivas do que antes, o exemplo de empresas que estão buscando a eliminação das barragens de rejeitos e muito mais. A edição 381 está disponível em http://www.brasilmineral.com.br/revista/381/

Veja também

20/03/2019
SEGURANÇA EM BARRAGENS | Academia de Ciências faz eventos no RJ e MG
20/03/2019
BRUMADINHO | Vale faz aporte para Corpo de Bombeiros
13/03/2019
BARRAGENS | Vale sabia dos riscos desde 2017?
13/03/2019
BARRAGENS DE REJEITOS | ANM avisa sobre prorrogação de prazo
13/03/2019
CIMENTO | InterCement adere ao GCCA
28/02/2019
ARCELORMITTAL | Acordo Preliminar com MPF e atingidos
28/02/2019
BARRAGENS | Mosaic declara emergência em Araxá
28/02/2019
ACIDENTE | Vale assina acordo preliminar
28/02/2019
MINAS GERAIS | Lei muda regras para barragens de rejeito